quinta-feira, 5 de junho de 2014

ATÉ JÁ PRINCESA!



Nunca antes tinha testemunhado o desprendimento de ninguém, o início da grande viagem nem a mudança para a eternidade do ser ou coisa alguma. Vi ontem. E tive a honra de presenciar tamanho acontecimento na primeira fila, mesmo ao lado da protagonista, a mulher mais importante da minha vida.
A minha avó partiu serena como ela era. Como ela merecia que fosse. Ao seu lado estavam as pessoas vivas que a amavam e seguramente outras tantas que já a haviam amado e apenas ela conseguia vislumbrar. Foi perfeito.
De apneia em apneia, cada vez maiores e mais constantes, houve um momento em que senti a aproximar divino que a iria tomar. Sim, houve uma certeza que me garantiu no peito que a minha avó ascenderia em breve. Comuniquei, então, que uma força maior acabara de chegar à sala e os mesmos de sempre, os únicos que sempre estiveram ao seu lado, levantaram-se para lhe prestar a derradeira homenagem em vida. Todos sentimos o momento com a intensidade que o momento exigia. Em total respeito, com a maior das admirações.
Não houve dor. Apenas amor.
Eu estava de mão esquerda dada à sua mão esquerda e tinha a minha mão direita deitada na sua testa como se uma autorização fosse para a passagem. A minha mãe tinha a sua mão direita dada à mão direita dela e a sua mão esquerda espalmada no seu peito como se fosse a chave que precisava para aceder à luz. E a minha tia massajava-lhe as pernas de baixo para cima e de cima para baixo como se um balanço fosse para o grande salto.
Foi assim que a minha avó partiu. Levada em braços por nós, amparada por eles.
As lágrimas só tomaram lugar quando fiquei sozinho. Não sou homem de conter emoções. Chorei, chorei muito até adormecer. Para quê guardar o que quer que seja? Nada é nosso. É preciso, sim, libertar e foi o que fiz, é o que estou a fazer neste momento e o que continuarei a fazer durante os próximos meses, até concluir o mestrado que tirei com ela. Confesso, e em primeira mão, que já estou quase a fechar o terceiro capítulo do livro mais bonito que alguma vez escrevi. Sei também que continuarei a ser guiado por ela e que continuarei a vê-la em sonhos, pois a nossa missão não acabou. Ela apenas foi para onde a sabedoria é mais fina, para um lugar onde pode correr, saltar e voar ao invés da dependência que a tomou nos últimos meses. Beneficiarei disso, beneficiaremos todos. A história que vai do norte ao sul do meu aprendizado com ela será inspiradora como ela sempre foi e como sempre me ensinou a ser.
É a si, avó, que devo a maior aprendizagem de todas, a que devemos ser sempre as pessoas mais importantes da nossa vida para que consigamos dar amor, apenas amor, a todos aqueles que nos rodeiam.
Até já princesa.  

26 comentários:

  1. A tua querida avó partiu feliz, rodeada de amor, em amor.
    Grata pela maravilhosa partilha

    ResponderEliminar
  2. Que bonitas palavras. E nunca tenhas dúvidas que a tua querida avó estará sempre a olhar por ti.
    Um forte abraço Gustavo

    ResponderEliminar
  3. Lindas Palavras numa belissima homenagem. Abraço forte da Célia. Fica bem Gustavo.

    ResponderEliminar
  4. Revivi na tua historia a minha historia. Também a minha avó era a pessoa mais importante para mim, foi minha mãe, minha amiga, minha confidente...
    Já vai para 5 anos que partiu, depois de uma grande luta, foi uma dor enorme para mim porque fiquei sem ela, mas com o tempo aceitei que foi o melhor, ainda hoje a sinto, falo com ela e sei que está sempre a iluminar-me. Beijo enorme para ti.

    ResponderEliminar
  5. Não tenho palavras de conforto......so desejo que saiba que li e senti a sua mensagem.
    O meu bem haja pelas suas palavras pela sua Energia.
    Um beijinho
    Isabel

    ResponderEliminar
  6. O meu ser reconhece o teu ser. As tuas palavras são uma inspiração. Neste plano conheço apenas o que escreves mas no plano maior reconheço-te irmão na luz. Namasté

    ResponderEliminar
  7. Os meus sinceros sentimentos e muito respeito... beijinho

    ResponderEliminar
  8. Homenagem linda, Gustavo... obrigada pela partilha! Amei! Beijo grande e muita força! Até domingo com muita energia boa!

    ResponderEliminar
  9. E claro que me comovi!!
    Força! um abraço.

    ResponderEliminar
  10. Antes de mais, os meus sentimentos. Nunca comentei os seus textos, apesar de "lhes passar os olhos" às vezes no face, mas o que escreveu em homenagem a um ente querido neste caso à sua avó é lindo demais e o momento apesar de triste foi terno e com muito amor. Felicidades.
    Carmen

    ResponderEliminar
  11. Profundo, muito profundo e sentido. Eu que sou uma mulher de palavras, estou praticamente sem palavras enquanto deixo que as lágrimas bailem livres nos olhos. Tens que continuar a tua missão, por ti e pela tua avó. Só assim continuarás a ser feliz e, pelo que me parece, a honrar a sua memória. Grande abraço.

    ResponderEliminar
  12. Forca ja estou a chorar com as tuas palavras... como e bonito o amor que tens pela tua avo...

    ResponderEliminar
  13. Emocionante. lindo o seu amor pela sua vó, ela esta na luz tenha certeza. força e conforto Deus esta com vc. beijos.

    ResponderEliminar
  14. Gustavo , lindo o seu amor pela sua avó. Emocionante, tenha certeza que ela esta na luz. um grande abraço.

    ResponderEliminar
  15. A tua homenagem tocou me muito forte, os meus sentimentos pela tua avó que devia ser uma pessoa maravilhosa sente-se isso pela maneira como falas dela. Eu também já perdi os meus avós maternos que eram uns pais para mim, revi me em cada palavra escrita por ti, muita força para ti porque não é fácil nada fácil ultrapassar a perda de pessoas tão amadas.

    ResponderEliminar
  16. Muito emocionante.....!!!! Lindo o Amor e Carinho que sente pela sua avó!! Também já sou avó e tocou me demasiado este " Até já Princesa" !!

    ResponderEliminar
  17. LINDO DEMAIS, QUEM DERA QUE TODOS CONSEGUISSEM ENCARAR A PARTIDA DAS PESSOAS QUE AMAM, DESSA MANEIRA, SERIA TAO BOM PARA QUEM FICA E PARA QUEM PARTE. E CONCERTEZA VCS VAO ESTAR SEMPRE EM SINTONIA ATE UM DIA SE REENCONTRAREM DE NOVO.FORÇA...

    ResponderEliminar
  18. Bonito texto Gustavo é lindo quanto gostavas da tua avó por tudo que representou na tua vida todos temos que partir mas sempre fica um vazio deixado por que já não está presente eu sei já perdi pai marido mas estão sempre presentes no coração e no pensamento e falo pra eles pedindo ajuda e força e penso que tenho sido ajudada e bastante o meus pesamos por essa avó que partiu prá eternidade eu já sou avó

    ResponderEliminar
  19. Gustavo, admiro muito as tuas palavras e a missão que tens levado a cabo com elas. Consegues transmitir na perfeição a verdadeira espiritualidade que tanta falta faz nos dias que correm, pois com elas consegues abrir horizontes até nas pessoas mais cépticas. A simplicidade e arte como as exprimes, torna-as muito abrangentes e em simultâneo profundas, porque a mensagem que trazes com elas, fazem despertar para a verdadeira realidade do ser.
    Obrigado pelas tuas partilhas e aqui está mais uma belíssima prova de como é possível encarar este tipo de situações.
    e como tu costumas dizer: PAZ

    ResponderEliminar
  20. Que riqueza de sentimentos! Maravilhoso....um ser lindo ... força um grande betjinho

    ResponderEliminar
  21. Gustavo, a sua narrativa levou-me às lágrimas. Fez-me voltar no tempo e recordar o momento em que me despedia da minha avó paterna, a única avó que conheci e que muito amava e amo. Também eu fiquei a segurar a sua mão, fazendo-lhe festas na cabeça e dizendo do amor que por ela sentia. Perdera a fala nesse mesmo dia, recordo. Ali fiquei, sentada a seu lado, enquanto os outros familiares se afastaram por breves instantes. O momento em que partiu foi leve como uma pena. Olhou-me com o seu olhar miudinho pelos seus 86 anos, esboçou um ligeiro sorriso de anjo e exalou o seu último suspiro. Um momento que jamais esquecerei e que, pela primeira vez, partilho, fora do círculo familiar. As suas palavras trouxeram-me memórias. Obrigada, Gustavo. Que a LUZ o ilumine e que a sua avó durma no trono dos justos. Um abraço.

    ResponderEliminar
  22. A teu anjo foi voar para outro lado...
    coragem...

    ResponderEliminar