sexta-feira, 22 de março de 2013

Revista Zen - Março 2013


Quem pensa muito, pouco sente. E quem pouco sente, quase nada é. E quem quase nada é não anda aqui a fazer népia a não ser número. Uma pessoa que não sente é alguém profundamente ingrato, desconhecedor do seu potencial total e incapaz de inspirar seja quem for, ou seja, e já que falo em números, é um autêntico zero à esquerda.
Não sentir é um dos principais flagelos da nossa sociedade, pois regra geral somos um rebanho de gente inconsciente que se desconhece porque prefere caminhar aos magotes em detrimento de criar o seu próprio caminho, porque é mais fácil e dá muito menos trabalho ser um comum mortal do que acreditar na eternidade que só uma pessoa feliz reconhece e porque as pessoas não querem saber de si mesmas, abandonaram-se, e vivem uma vida inteira na expectativa de encontrar alguém que as ame como elas nunca se amaram. Impossível.
Queres ser amado? Ama-te.
E tudo isto porquê? Porque é mais fácil, e socialmente aceite, pensar do que sentir. É como se estivéssemos autorizados a julgar mas impedidos de viver a entrega. Acontece que sempre que uma pessoa pensa, entra numa espécie de cápsula do tempo que lhe inebria a única realidade que lhe assiste, o “Agora”, ou seja, inexiste. Quando julgas és um vegetal, quando te entregas és um ser humano. Nós somos almas alojadas em corpos, como tal, estamos aqui para viver a experiência dos afetos e não há afeto com uma mente descontrolada, não se criam laços, o amor não se afirma e a paixão não nos corre pelas veias, não nos alimenta as células nem nos arrepia os poros.
Esvaziar a mente é, por todos estes motivos, o melhor tónico para o coração, é como estares profundamente desidratado e descobrires uma garrafa de água ou uma lata com o teu refresco favorito. É a vida na sua plenitude. É quando tu te permites ser e és.
Vamos voltar ao ser criança. À nascença a mente não passa de um saco vazio, insípido e despropositado, de acordo? Somos felizes, certo? Fazemos e dizemos o que sentimos, correto? Então por que razão, e à medida que vamos crescendo, temos o hábito de o ir enchendo, enchendo, enchendo até o lixo do ego, dos bloqueios, dos preconceitos e dos medos já não caber mais? Queres saber a minha opinião? Preguiça. Comodidade. Resignação. Desculpas e mais desculpas. É feio. Envergonha-me.
E sim, podemos trabalhar o esvaziar da mente. Aparentemente pode parecer difícil, mas não é. Nunca te esqueças que tu és o que sentes e que foste feito para sentir, como tal, suprir a rotação dos nossos pensamentos passa por te afirmares, por materializar o que desejas, por estar com quem queres, ir onde te apetece e verbalizar o que sentes. Passa por te permitires ser criança de novo. Não acreditas? Experimenta.
Uma mente possessiva consegue transformar qualquer ser humano numa autêntica lixeira mas tu só cheiras mal se quiseres, pois o sentir é uma fragrância de mil aromas, um jardim inesgotável, é o Éden aqui e “Agora”. 

5 comentários:

  1. Nós somos os espelhos dos outros

    Esta é a minha frase, o meu lema de vida...

    Obrigado pelas tuas palavras que me fazem um sentido enorme...

    Tudo de bom

    Mafalda

    ResponderEliminar
  2. Acho o primeiro parágrafo demasiado agressivo, estar demasiado preso à mente e desconectado das próprias emoções não é normalmente uma escolha consciente, e quem vive assim frequentemente sofre porque sente falta de autenticidade na sua vida. Por vezes quer escapar a esse seu próprio aprisionamento e não é capaz, apenas com ajuda. Compaixão é o que precisamos de ter uns com os outros e sobretudo não colocar rótulos do tipo "zero à esquerda"; "andar aqui a fazer número", acho redutor.

    ResponderEliminar
  3. Sabes Gustavo lembrei-me esta semana que somos almas a viver experiências humanas... descobri que tenho dentro de mim algo que me ama e me protege com toda a garra... e sabes descobri que existe uma força imensa dentro de mim, cheia de garra, faminta de justiça, revolucionaria, sincera e emotiva.... mas tudo isto me assusta sabes porquê... Descobri que o AMOR TEM VIDA PROPRIA!!!! E ELE EXISTE DENTRO DE NÓS CHEIO DE VONTADE DE SE MANIFESTAR..... !!!! E NÓS TEMOS MEDO DO AMOR :(

    ResponderEliminar
  4. Bom dia Gustavo:)
    Gostaria de saber se tem agendado algum workshop para breve? E onde?!
    Aguardo notícias
    Obrigada e continuação de bom trabalho.

    Vera
    unicvera@gmail.com

    ResponderEliminar