terça-feira, 4 de dezembro de 2012

R-E-L-E-S OU P-E-R-S-I-S-T-E-N-T-E?


Sim fofinho, toda a sociedade é baseada em princípios injustos!
E agora?
Não me digas que achavas que era só contigo?
A sério? Olha, eu que não dou conselhos a ninguém vou ser um grande maluco e dar-te um: deixa de ser  R-E-L-E-S.
Alguns dos melhores advogados não defendem os principais casos.
Alguns dos melhores arquitetos não concebem os melhores projetos.
Alguns dos melhores engenheiros não edificam as principais obras.
Alguns dos melhores escritores não vendem quase nada.
Alguns dos melhores atores não ficam com os melhores personagens.
Alguns dos melhores professores só fazem substituições.
Alguns dos mais competentes nem sequer trabalho têm.
E agora fofinho?
Continuas a pensar que é só contigo?
Tudo isto pode parecer injusto, é legítimo, mas há uma injustiça ainda maior por trás de toda esta realidade: é o ser humano desistir e deixar de acreditar nos seus sonhos. Isso sim é tremendamente injusto!
A sociedade, em termos gerais, não se alicerça no mérito e por isso é injusta. Não quer saber dos sonhos dos homens, das suas verdadeiras competências e valores. As suas bases são o dinheiro, as cunhas e os interesses, nada mais é importante. Sim, mas e agora? Queres lutar contra isto? Não consegues. Nem uma palha moverás. Mas há uma solução. Há sempre uma solução. Sabes qual é? P-E-R-S-I-S-T-I-R.
Nesta vida ou és um R-E-L-E-S ou és um P-E-R-S-I-S-T-E-N-T-E.
Os persistentes nunca desistem, nunca deixam de acreditar ainda que lhes fechem todas as portas das oportunidades, ainda que apenas deixem as janelas mais altas abertas para que te vejam sofrer e imaginar que são mais importantes que tu. Sei do te que falo. Sei tão bem do que te falo. Até hoje persisti. Levo o dobro, o triplo, o quádruplo do tempo a conseguir o que desejo, mas consigo sempre. Hoje já se abrem algumas portas, alguns dos reles que me olhavam lá de cima já caíram e eu cá continuo: sereno, crescido, em paz e feliz.
É  que há uma justiça maior e acima da injustiça dos homens, portanto, e lê-me com atenção, apenas te é exigida uma coisa nesta exigida: não sejas injusto contigo.
P-E-R-S-I-S-T-E! 

2 comentários:

  1. sim concordo, mas como depois de estar em depressão . sim tenho trabalho mas não consigo nem sequer levantar para ir trabalhar. Será possivel passar der reles para persistente... os medicamentos será possivel eliminalos, sera possivel ser...

    ResponderEliminar
  2. Gostei do texto e fez-me alertar.
    Posso dizer que sou um pouco reles e um pouco persistente.
    Um pouco reles porque a sociedade e a vida não me deram oportunidade para seguir o meu sonho profissional. Mas sou persistente porque aproveito as vagas que vão surgindo.
    O meu sonho profissional pu-lo dentro duma gaveta. (sou reles)
    Se surgir uma oportunidade vou lá á gaveta tiro e uso (sou persistente).
    Aprendi e vivencio o sentimento de não fazer dramas dos problemas. A minha vida é feita de obstáculos. Confesso que fico saturada, desiludida e cansada (sou reles). Mas depois aprendo a superar, a resolvê-los (sou persistente). È com estes obstáculos que cresço e evoluo todos os dias um pouquinho. Degrau a degrau vou evoluindo como pessoa, como mulher, como ser humano.
    Admito que por vezes apetecia-me estalar os dedos e conseguir tudo o que desejo. Mas depois também sinto que os obstáculos fizeram-me bem. Vi as coisas doutra forma, doutra perspectiva. E no fianl foi muito saboroso a recompensa.

    Harmonia

    ResponderEliminar